Niki Lauda: o fim de um sobrevivente



Austríaco faleceu aos 70 anos de idade.

Niki Lauda, o piloto austríaco que por três vezes foi campeão do Mundo de Fórmula Um, faleceu na madrugada de hoje, na Clínica Universitária de Zurique, na Suíça. Submetido a um transplante pulmonar em Agosto passado, o campeão não sobreviveu a mais esta luta.
Andreas Nikolaus Lauda, nascido em Viena, a 22 de Fevereiro de 1949, para sempre conhecido pelo diminutivo Niki, apesar de ter nascido numa família abastada, teve de lutar muito para construir a sua carreira, numa vida que ficou marcada principalmente por uma palavra: sobrevivência.
Na verdade, foi contra a vontade da família que Lauda começou por se dedicar às corridas, estreando-se com um Mini, passando depois para a Fórmula V (foi o caso mais importante de um piloto iniciado com estes monolugares) e depois com um Porsche 911.
Graças ao seu apelido, conseguiu contrair um empréstimo, que lhe permitiu comprar um lugar na March, marca pela qual se estreou na F. 1, no Grande Prémio do seu país, em1971.
Foi o primeiro de 171 grandes prémios disputados, ao longo de 13 épocas, 25 finalizados com a vitória e 54 com a ida ao pódio.
Uma época inteira na March e outra na BRM, apesar dos fracos resultados (apenas somou dois pontos, em 1973), serviram para mostrar os seus dotes, que lhe abriram as portas da Ferrari, em 1974.
Campeão do Mundo em 1975 (voltaria a sê-lo em 1977, também com a Ferrari, e em 1984, com a McLaren), teria o dia decisivo da sua vida a 1 de Agosto de 1976, quando foi vítima de um terrível acidente no Grande Prémio da Alemanha, em Nürburgring.
Sobrevivendo, mas com sequelas para o resto da vida, terá sido esse mesmo acidente que o obrigou no ano passado a ser submetido a um transplante de pulmão, "apenas" mais um transplante dos muitos que teve de fazer nos últimos 43 anos.
Também confrontado com problemas a nível empresarial, com a sua companhia Air Lauda, a tudo Niki respondia com coragem.

Essa qualidade é a mais revelada na hora do adeus, pela Ferrari, que ontem prestou a sua homenagem a Lauda (não sem referir "o turbulento final da sua relação com a Scuderia") e pela Mercedes-AMG, que pela voz de Toto Wolff, declarou: "Em nome da Mercedes quero afirmar que Niki ficará para sempre como uma das grandes lendas do nosso desporto, pelo seu heroísmo, humanidade e honestidade, dentro e fora do cockpit".
Niki Lauda: o fim de um sobrevivente Niki Lauda: o fim de um sobrevivente Reviewed by Auto Vintage on 21.5.19 Rating: 5

No comments:

Ad

Powered by Blogger.